Aconteceu em RI: 4ª semana de agosto

Olá gente, tudo bom?

Perdeu alguma coisa que se passou nesta semana? Aqui vão alguns destaques:

Reunião das famílias coreanas

Nesta segunda (20) como um sinal de melhora nas relações entre as Coreias, foi organizado um encontro de 89 famílias coreanas que estão separadas entre os lados norte e sul desde a Guerra da Coreia na década de 1950.

Encontros como este acontecem quando as relações entre ambos os países estão mais amigáveis, algo que não ocorria há um certo tempo. A última reunião deste tipo foi em 2015.

Os sul-coreanos que foram até o lado norte encontrar suas famílias permaneceram no país por 3 dias, embora o tempo que ficaram com seus parentes durou apenas 11 horas. Além deles, a Cruz Vermelha identificou que ainda há 57.000 sobreviventes que esperam o momento de poder ver seus familiares mais uma vez.

Com o retorno gradual do diálogo entre o norte e o sul que vem ocorrendo desde o início do ano, ambos os lados concordaram na realização deste evento em junho. Considerando o estado atual da relação entre as Coreias, acredita-se que mais encontros como esse poderão se concretizar futuramente.

Arábia Saudita e o IPO da Aramco

Nesta semana, surgiram indicações de que o governo da Arábia Saudita iria cancelar o IPO da Saudi Aramco, petrolífera estatal e a maior empresa do mundo neste ramo de atividade. Um initial public offering (oferta pública inicial) ou IPO consiste na abertura do capital de uma empresa na bolsa de valores pela primeira vez.

CNBC
Fonte: CNBC

Neste caso, era esperado que o IPO da Aramco ocorresse tanto nos mercados sauditas quanto internacionais. Tal transação era chamada de a “operação do século”, pois calculava-se que o plano inicial de abrir 5% do capital da empresa geraria até US$ 100 milhões em recursos para o fundo soberano saudita.

O potencial resultado desta operação atraiu muitos olhares e as principais bolsas do mundo como Londres, Nova York e Hong Kong disputavam entre si a parcela internacional do IPO. Vale lembrar que esta movimentação para realizar uma abertura de capital da Aramco foi proposta pelo príncipe herdeiro Mohammad bin Salman como uma estratégia de diversificar a economia saudita, fazendo parte de seu plano de metas conhecido como Saudi Vision 2030.

Apesar das notícias sobre o seu cancelamento, o Ministro da Energia saudita Khalid al-Falih afirmou na quinta (23) que o IPO não está cancelado em definitivo, mas sim suspenso até que as condições do mercado sejam mais favoráveis. Ainda foi pontuado que neste meio tempo, o governo saudita está se organizando para comprar uma parte estratégica da companhia química Saudi Basic Industries Corp.

Aliados de Trump condenados e suas consequências

Nesta terça (21), dois eventos envolvendo ex-colaboradores de Trump caíram como uma bomba para a Casa Branca e levantaram o questionamento sobre um possível impeachment do presidente dos EUA.

Paul Manafort (primeiro na foto), ex-chefe de campanha de Trump, foi considerado culpado em 8 acusações entre fraudes fiscais e bancárias, além de não declarar uma conta no exterior.

New York Post
Fonte: New York Post

No mesmo dia que saiu esta decisão, o ex-advogado de Trump, Michael Cohen (segundo na foto), admitiu ser culpado por sonegação fiscal, violação das regras do financiamento de campanha durante a corrida presidencial de 2016, além de comprar o silêncio de duas mulheres que tiveram um caso com Trump. Durante audiência, Cohen afirmou que realizou tudo seguindo ordens de Trump, sendo que inclusive tinha gravado anteriormente um áudio com o então candidato à presidência a respeito de uma das questões, a qual agora estava sendo condenado.

Tais reviravoltas não têm muita relação com a investigação que se faz sobre o envolvimento russo nas eleições presidenciais, mas as acusações principalmente de violação no financiamento de campanha lançaram à luz a discussão sobre um possível impeachment de Trump. Apesar disto, segundo analistas, ainda é improvável este cenário, visto que os republicanos detêm a maioria na Câmara e no Senado e dificilmente aceitariam abrir um processo contra o presidente vindo de seu próprio partido.

Novo primeiro-ministro toma posse na Austrália

O até então primeiro-ministro australiano, Malcolm Turnbull, renunciou ao cargo nesta semana sendo substituído na sexta (24) por Scott Morisson (foto) que desempenhava a função de Ministro das Finanças. Com este mais recente episódio, esta se torna a sexta vez em um prazo de 11 anos que a Austrália troca de primeiro-ministro.

Neste caso, o estopim para este incidente consistiu em uma nova política de energia proposta por Turnbull que estaria de acordo com o que defende o Acordo do Clima de Paris. Contudo, sua proposta foi duramente criticada pela ala mais conservadora do seu próprio partido, o Partido Liberal da Austrália.

Hindustan Times
Fonte: Hindustan Times

Além disso, o baixo desempenho nas pesquisas de opinião indicava uma ameaça para o partido governista, considerando as próximas eleições gerais que irão ocorrer no ano que vem, o que gerou ainda mais pressão para a saída de Turnbull pelos próprios membros do seu partido.

O atual primeiro-ministro Morrison é considerado um político de postura mais conservadora e defensor de uma política migratória mais rígida, tendo ele mesmo ocupado o cargo de Ministro da Imigração entre 2013 e 2014.

Fontes:

https://www.theguardian.com/world/2018/aug/20/separated-south-and-north-korean-families-take-part-in-rare-reunions

https://edition.cnn.com/videos/world/2018/08/22/korean-family-reunions-end-hancocks-lkl-vpx.cnn

https://www.jornaldenegocios.pt/mercados/bolsa/detalhe/arabia-saudita-cancela-ipo-da-aramco

https://www.middleeasteye.net/news/saudi-arabia-halts-aramco-public-listing-disbanding-advisors-1026298973

https://exame.abril.com.br/mercados/arabia-saudita-nega-que-tenha-cancelado-ipo-da-saudi-aramco/

https://g1.globo.com/mundo/noticia/2018/08/22/veja-quem-sao-os-ex-colaboradores-proximos-de-trump-condenados-pela-justica.ghtml

http://fortune.com/2018/08/24/australia-prime-minster-turnover-markets/

https://internacional.estadao.com.br/noticias/geral,premie-australiano-renuncia-e-partido-elege-scott-morrison-para-assumir-o-governo,70002471002

https://www.bbc.co.uk/news/world-australia-45292637

 

 

Anúncios

Aconteceu em RI: 3ª semana de agosto

Oi gente, tudo bom?

Perdeu alguma coisa que aconteceu nesta última semana? Aqui vão alguns destaques 🙂

A resposta de Khamenei a Trump

CBS news
Fonte: CBS News

Seguindo o desenrolar do embate entre Irã e EUA que se intensificou principalmente depois da saída dos americanos do acordo nuclear e a imposição de novas sanções contra o Irã, esta semana foi a vez do líder supremo do país, aiatolá Ali Khamenei, se pronunciar sobre o assunto.

Dado as declarações de Trump que estaria disposto a firmar um novo acordo com os iranianos que fosse diferente daquele feito pelo seu antecessor e assim eliminaria as novas sanções impostas contra eles, Khamenei afirmou que o Irã não fará guerra, mas também nenhuma negociação com os EUA (principalmente com a administração atual), defendendo que os mesmos não são confiáveis. Juntamente nesta semana do pronunciamento de Khamenei, o Ministro da Defesa do Irã, Amir Hatami, revelou o mais novo míssil balístico iraniano e prometeu desenvolver ainda mais as capacidades do país neste quesito.

Crise na economia turca e suas repercussões

A Turquia, que até então apresentava um crescimento econômico considerável (registrando um crescimento real do PIB de 34% ao longo de 5 anos segundo dados da OCDE), vem enfrentando uma crise em sua economia desde o começo do ano caracterizada por uma alta na inflação (afastando-se da meta de 5% e chegando a uma marca de aproximadamente 10% no acumulado de 12 meses). Além disto, também apresenta um grande déficit comercial e uma desvalorização da moeda do país, a lira turca, em comparação ao dólar americano que recentemente atingiu o patamar de 1 US$/₺6, perdendo 10% do seu valor e contando no ano com uma depreciação de 45%.

Middle East Observer
Fonte: Middle East Observer

A situação ainda se agravou, como percebido nesta semana, devido à recusa do presidente turco Recep Tayyip Erdogan de permitir um aumento na taxa de juros para controlar a inflação (depois de sua última vitória eleitoral, Erdogan vem impondo sua visão econômica sob o Banco Central da Turquia). Somado a isto veio também as recentes sanções lançadas pelos EUA contra o aço e alumínio da Turquia por causa da prisão de um pastor americano (acusado de conspirar contra o governo turco) e que agravou ainda mais o quadro econômico do país.

Erdogan, por sua vez, acusa que o recente desempenho da economia turca é diretamente por causa de forças estrangeiras hostis, se referindo mais especificamente aos EUA. Como represália às sanções anteriormente mencionadas, Erdogan anunciou que o seu país imporia um boicote aos produtos eletrônicos vindos dos EUA de modo a também conseguir controlar o andamento da economia turca.

Estas recentes movimentações geraram preocupação nos mercados financeiros de que esta recessão na economia turca (que cada dia parece mais provável) possa vir a trazer consequências também para outros mercados em desenvolvimento, como África do Sul, Argentina e inclusive o Brasil.

Atentados na Inglaterra e no Afeganistão

Nesta semana também, dois atentados terroristas foram registrados, um ocorrendo em Londres e outro na região de Baghlan no Afeganistão.

No primeiro caso, um homem dirigindo um carro em alta velocidade tomou a contramão e atingiu um grupo de ciclistas perto do Parlamento britânico ameaçando também os pedestres que passavam pelo local na terça-feira (14) pelo período da manhã. O caso foi tratado como um incidente terrorista pelas autoridades e o homem que estava desarmado e sozinho no carro foi preso no local do ataque. Até o momento, não tinha sido possível encontrar qualquer ligação entre ele e grupos terroristas e desta forma acredita-se que o caso tenha sido uma ação deliberada pelo autor do ataque.

Já no segundo ocorreu na província afegã de Baghlan. O atentado foi perpetrado pelo grupo Talibã que matou 35 soldados e 9 policiais na quarta (15). Além deste, outros ataques contra forças de segurança do país foram registrados na segunda (13). Estes recentes eventos vêm de encontro com outros conflitos semelhantes ocorridos no país na semana passada.

Na época, a cidade afegã de Ghanzi sofreu com os confrontos entre o Talibã e as forças de segurança durante quase toda semana. Ao final, a cidade tinha falta de água e eletricidade e o hospital estava lotado com feridos desde civis, talibãs até membros do exército chegando em mais de 150 feridos.

Confrontos entre brasileiros e venezuelanos

Neste sábado (18) foi registrado um confronto entre brasileiros e refugiados venezuelanos em Pacaraima na fronteira entre Brasil e Venezuela, o que acabou resultando na volta de aproximadamente 1,2 mil imigrantes de volta ao seu país.

O estopim desta situação foi o assalto e agressão sofrida por um comerciante de Pacaraima por um grupo de quatro venezuelanos. Em decorrência disto, o homem teve que ser levado para ser internado.

El país
Fonte: El País

Depois deste incidente, outros moradores da cidade de Pacaraima tomaram este caso como justificativa para avançar contra os acampamentos venezuelanos que estão na praça da cidade em condições precárias. Os brasileiros, muitos deles munidos de paus e pedras, puseram fogo nos pertences dos refugiados e falaram palavras de ordem para expulsar os venezuelanos que se encontravam na cidade. Foi registrado que alguns venezuelanos revidaram o ataque dos brasileiros, porém a maioria ou fugiu para áreas do entorno ou retornaram para a Venezuela.

No dia seguinte, já se observava um fluxo de refugiados cruzando a fronteira com o Brasil, mas em quantidade bem menor. Devido a este incidente, o Ministério de Segurança Pública informou que irá enviar mais 60 homens das Força Nacional para o local.

Fontes:

https://www.afp.com/en/news/23/irans-khamenei-no-war-no-negotiations-us-doc-18c38t2

https://www.telegraph.co.uk/news/2018/08/14/car-crashes-barrier-outside-parliament-armed-police-surround/

https://www.aljazeera.com/news/2018/08/afghanistan-dozens-security-forces-killed-taliban-attack-180815065025633.html

https://g1.globo.com/rr/roraima/noticia/2018/08/19/pacaraima-tem-ruas-desertas-apos-confronto-entre-brasileiros-e-venezuelanos.ghtml

https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2018/08/refugiados-venezuelanos-sao-agredidos-e-expulsos-de-tendas-em-roraima.shtml

https://www.theguardian.com/world/2018/aug/13/how-serious-is-turkeys-lira-crisis-and-what-are-the-implications

https://www.bbc.co.uk/news/world-europe-45179673

https://g1.globo.com/economia/noticia/2018/08/10/moeda-turca-tem-forte-desvalorizacao-e-registra-novo-minimo.ghtml

https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2018/08/dolar-sobe-e-chega-a-tocar-em-r391-com-preocupacoes-com-turquia.shtml

 

Dicas de Filmes: Migração e Refúgio

Olá gente, tudo bom?

Como muito provavelmente vocês já notaram, questões como migração e refúgio são temas recorrentes dentro do debate das relações internacionais e hoje em dia são tratados com mais frequência devido aos episódios recentes como por exemplo os refugiados fugindo de guerras e perseguições rumo à Europa ou imigrantes saindo de seus lugares de origem para procurar uma vida melhor em outros países.

Considerando a sua importância, hoje eu selecionei para vocês 5 filmes relacionados à temática de migração e/ou refúgio. Espero que gostem desta lista! Logo mais estarei preparando a parte 2 para vocês! 🙂

Então, em ordem de ano de lançamento aqui vão os filmes:

O imigrante (Charles Chaplin, 1917)

A genialidade de Chaplin não poderia estar de fora desta lista. Neste curta, Chaplin conta a história dos imigrantes europeus que no começo do século XX abandonavam o velho continente em busca de uma vida melhor nos EUA (dadas as devidas modificações, esta história ainda soa muito familiar, não?)

charles chaplin
O Imigrante – 1917

Mesmo o filme tendo sido feito em gênero de comédia, Chaplin consegue passar muito bem para os espectadores todas as dificuldades e preconceitos enfrentados por aqueles imigrantes, mas que também a solidariedade pode nascer mesmo de situações tão adversas. É também interessante notar como os fluxos migratórios mudam de tempos em tempos, considerando que na época do curta eram os europeus que estavam na condição de imigrantes e nos dias atuais a Europa é um dos principais destinos desejados por aqueles que deixam sua terra natal.

Este curta do Chaplin é bem fácil de achar no Youtube e tem em torno de 25 minutos apenas. Vale a pena conferir!

Continuar lendo “Dicas de Filmes: Migração e Refúgio”

Aconteceu em RI: 2ª semana de agosto

O mundo vivenciou uma série de acontecimentos nesta semana. Vamos dar uma olhada em alguns deles?

Irã: volta das sanções dos EUA e resposta da comunidade internacional

Na terça-feira (07), Trump levou a cabo sua promessa e reimpôs sanções contra o Irã, depois de ter retirado unilateralmente os EUA do acordo nuclear firmado em 2015 com o Irã juntamente com França, Reino Unido, Alemanha, Rússia, China e a União Europeia.

iran
Fonte: Euronews

As novas sanções incluem a proibição da compra de dólares americanos por parte do governo iraniano bem como comercializar em ouro, além de atacar outras áreas da economia do país como, por exemplo, o setor automotivo, de aço e alumínio. Além disso, Trump ainda anunciou que novas sanções serão impostas contra o Irã em novembro que incluirá os setores petrolífero, marítimo e de seguros.

Apesar das novas sanções impostas e das ameaças que os EUA retaliariam aqueles que mantivessem comércio com o Irã, Trump não recebeu o nível de aceitação que esperava. Ainda que algumas empresas europeias já tenham saído ou congelado seus negócios com os iranianos, a UE incentivou suas empresas a continuarem realizando suas operações no país, defendendo que o bloco está tomando as medidas necessárias para proteger suas empresas. Também nesta semana China e Rússia afirmaram que vão manter seus laços com os iranianos, mesmo com as ameaças de Trump.

Arábia Saudita e Canadá têm relações estremecidas

Uma série de desentendimentos entre Arábia Saudita e Canadá escalou para um ponto nesta semana em que o governo saudita ordenou a expulsão do embaixador canadense do país dentro de 24 horas.

al bawaba
Fonte: Al Bawaba

O motivo desta situação ocorreu quando foi anunciado por grupos de defesa aos direitos humanos, como a Anistia Internacional, de que o governo saudita havia prendido Samar Badawi, defensora dos direitos das mulheres no país e mantinha sob custódia outros ativistas. Segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, desde maio pelo menos 15 ativistas dos direitos humanos e dos direitos das mulheres tinham sido presos no país.

A partir disto, o Ministério das Relações Exteriores do Canadá e até mesmo a Embaixada do Canadá em Riad compartilharam tweets em que expressavam preocupação e pediam explicações da Arábia Saudita sobre estas detenções.

O governo saudita respondeu também pela rede social condenando a postura do Canadá e acusando-o de interferir em assuntos internos do Reino. Como consequência, além da expulsão do embaixador, a Arábia Saudita anunciou que suspenderia novos acordos comerciais e de investimento com os canadenses, companhias aéreas sauditas cancelaram voos entre os países e estudantes sauditas no Canadá deveriam retornar ao país. O comércio de petróleo, por sua vez, ainda seria mantido.

Apesar das retaliações por parte do governo saudita, tanto o primeiro-ministro, Justin Trudeau, quanto outros oficiais canadenses afirmaram que o Canadá não voltaria atrás em suas declarações e continuariam defendendo a proteção aos direitos humanos.

EUA voltam a impor sanções contra Rússia

Os EUA também anunciaram nesta semana que novas sanções serão aplicadas contra a Rússia até o final deste mês. O motivo para esta nova rodada se deve ao envenenamento do ex-espião russo Skripal em março no Reino Unido e a posterior investigação britânica que apontou o governo russo de ser o culpado pelo ataque, embora Putin negue veementemente qualquer participação.

FILE PHOTO: Russia's President Vladimir Putin talks to U.S. President Donald Trump during their bilateral meeting at the G20 summit in Hamburg
Fonte: Reuters

As recentes sanções irão incluir alguns produtos dos EUA exportados para a Rússia como tecnologias que também poderiam ser usadas para fins militares. Acredita-se que esta decisão se deve à pressão interna que a administração Trump vem enfrentando por causa de sua postura em relação à Rússia, principalmente depois do encontro com Putin em julho.

Iêmen: novos ataques indignam a comunidade internacional

A guerra civil no Iêmen continua e contabiliza a cada dia que passa mais feridos e mortos. Um recente ataque em particular indignou diversos membros da comunidade internacional.

Na quinta-feira (09), um bombardeio comandado pela coalizão liderada pela Arábia Saudita atacou um ônibus com crianças, o que resultou na morte de 29 delas. O ataque realizado gerou um saldo total de 50 mortos e 77 feridos. Além disso, a divulgação de vídeos e imagens feitos pelos locais mostrando as crianças vítimas do ataque geraram revolta e indignação da comunidade internacional.

RTE
Fonte: RTE

Dentre eles, o secretário-geral da ONU, António Guterres pediu que um inquérito seja rapidamente e independentemente aplicado. Outros órgãos como a Cruz Vermelha e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) condenaram o ataque.

Inclusive aliados da coalizão saudita como os EUA pediram a realização de uma investigação para apurar o caso, diante da repercussão do episódio. Já as forças da coalizão, por sua vez, apesar de reconhecerem o ataque a um ônibus, alegaram que o veículo não transportava crianças, mas rebeldes houthis.

Acordo Alemanha-Espanha sobre imigração

Neste sábado (11), a chanceler alemã Angela Merkel se encontrou com o primeiro-ministro espanhol Pedro Sánchez para discutir a postura europeia com relação à questão migratória atual.

Recentemente, os dois países fecharam um acordo em que o governo espanhol aceitava abrigar os imigrantes que chegaram ao seu país, mas buscavam a Alemanha como destino final. Merkel vem tentando estabelecer acordos bilaterais entre os países do bloco para dividir a quantidade de imigrantes que procura seu país.

al jazeera
Fonte: Al Jazeera

Segundo Merkel e Sánchez, a responsabilidade em abrigar os imigrantes e em lidar com a questão migratória deve ser uma ação conjunta do bloco, o que também é apoiado por França e Portugal, mas não por todos. Cada vez mais o que se observa no continente são países que vem fechando suas fronteiras e adotando atitudes mais xenófobas em relação aos imigrantes, como se observou nos últimos tempos na Itália ou na Hungria.

Os países da UE vão se reunir no próximo mês na Áustria para debater mais a fundo quais os caminhos o bloco irá seguir para lidar com os desafios da migração. De acordo com este último encontro entre Sánchez e Merkel, ambos os líderes vão defender uma cooperação maior não somente entre os países da UE como também com países de trânsito para os imigrantes como Marrocos e até mesmo com seus países de origem.

Protestos na Romênia

BBC
Fonte: BBC

Desde sexta-feira (10) até este domingo (12), protestos foram registrados na Romênia contra o governo local. Em meio a acusações de corrupção, os manifestantes demandavam a renúncia do governo social-democrata do país. Os protestos na capital Bucareste reuniram uma grande multidão com aproximadamente 80 mil pessoas, inclusive de romenos que vivem fora do país e voltaram somente para participar destas manifestações.

Na sexta, confrontos entre manifestantes e a polícia foram observados, o que resultou em mais de 400 feridos entre a população civil, policiais e até mesmo jornalistas.

Fontes:

https://www.bbc.co.uk/news/world-middle-east-45115743

https://www.cnbc.com/2018/08/10/global-powers-condemn-us-sanctions-against-iran-and-encourage-business.html

https://www.businessinsider.com/timeline-of-canada-saudi-arabia-diplomatic-feud-over-human-rights-2018-8#in-a-string-of-10-tweets-saudi-arabia-accused-canada-of-an-overt-and-blatant-interference-in-the-internal-affairs-of-the-kingdom-and-said-its-tweet-broke-the-most-basic-international-norms-of-diplomacy-6

https://www.reuters.com/article/us-saudi-canada/saudi-arabia-reassures-canada-on-oil-supplies-as-dispute-drags-on-idUSKBN1KU055

https://www.bbc.co.uk/news/world-middle-east-45079682

https://www.dw.com/pt-002/alemanha-e-espanha-defendem-distribui%C3%A7%C3%A3o-justa-de-refugiados/a-45047815

https://edition.cnn.com/2018/08/08/politics/us-state-department-russia-sanctions/index.html

https://www.dw.com/pt-br/ataque-a-crian%C3%A7as-no-i%C3%AAmen-gera-indigna%C3%A7%C3%A3o-internacional/a-45034174

https://g1.globo.com/mundo/noticia/2018/08/11/protesto-contra-o-governo-da-romenia-termina-com-centenas-de-feridos.ghtml

https://www.em.com.br/app/noticia/internacional/2018/08/12/interna_internacional,979763/romenos-realizam-protesto-contra-governo-pela-3-noite-consecutiva.shtml

Aconteceu em RI: 1ª semana de agosto

Olá a todos!

Vocês viram o que aconteceu nesta última semana? Aqui vão três destaques 🙂

Eleições no Zimbábue

Depois da renúncia de Robert Mugabe, que deteve o poder no Zimbábue por 37 anos, o país passou novamente por um processo eleitoral tanto no parlamento quanto na presidência. Para a disputa de presidente se enfrentaram Emmerson Mnangagwa, do partido governista Zanu-PF, vice-presidente de Mugabe que o substituiu no cargo após sua saída e Nelson Chamisa do MDC e principal opositor da base governista.

Na segunda-feira (31) foi anunciado que o partido do governo tinha ganhado a maioria dos assentos na Assembleia Nacional do país, embora o resultado do cargo de presidente ainda não era conhecido.

zimbabue
Fonte: Al Jazeera

Na quarta (01) foram registrados alguns protestos da oposição na capital do país, Harare, que alegavam fraude nas eleições. O exército juntamente com a polícia contiveram os manifestantes que foram presos ou se entregaram à Justiça. Na quinta (02) foi confirmada a vitória de Mnangagwa na presidência do Zimbábue, embora observadores internacionais criticaram a demora do anúncio. A oposição, por sua vez, afirmou que irá contestar o resultado pela via judicial.

Kosovo e a proposta sérvia

Na terça (31), Hashim Thaci, presidente do Kosovo anunciou que negava qualquer possibilidade de aceitar a proposta vinda dos sérvios no que se refere a dividir o país baseado em uma demarcação étnica.

O Kosovo era uma região que até pouco tempo integrava o território da Sérvia, mas depois de um longo período de conflito se declarou independente em 2008. Contudo, a comunidade internacional ainda se divide em aceitar ou não sua soberania. Por um lado, EUA e a maioria dos membros da UE reconhecem o Kosovo como um país independente, o que ainda é negado, por exemplo, por Sérvia e Rússia.

A proposta sérvia foi defendida pelo governo do presidente Aleksandar Vucic como uma forma de resolver a disputa pelo território que perdura há anos, o que também poderia abrir caminho para que ambos fossem aceitos no processo de admissão da União Europeia.

Considerando que a parte norte kosovar é de maioria sérvia (apesar de que eles correspondem a apenas 5% do Kosovo que tem maioria étnica albanesa) esta região retornaria para controle da Sérvia enquanto o restante seria ainda de posse do Kosovo.

Contudo, a proposta teve uma rejeição de diferentes frentes, tanto do governo kosovar em Pristina que recusou a ideia de dividir seu território quanto de uma ala conservadora dos próprios sérvios que defendem a retomada total da região para o controle da Sérvia. Os líderes do Kosovo e Sérvia ainda devem se encontrar em Bruxelas para discutir esta questão mais a fundo.

Eleições no Mali

Ainda no domingo (29) foram realizadas as eleições presidenciais no Mali, onde 24 candidatos estavam na disputa do cargo. Dentre eles, os principais nomes eram o atual presidente do país que buscava a sua reeleição, Ibrahim Boubacar Keita, e o ex-ministro das finanças, Soumaila Cisse. As eleições foram acompanhadas de perto por observadores internacionais como da União Africana e da União Europeia, visto que o país passou por um golpe de estado recente.

mali
Fonte: Embaixada do Mali no Canadá

Em 2012, o Mali passou por um golpe de estado quando militares atacaram diversos locais da capital do país. A ação foi amplamente repudiada pela comunidade internacional e durou apenas alguns dias. Mesmo assim, o até então presidente aceitou renunciar o cargo. Também desde aquela época partes do território do Mali são controlados por grupos terroristas como a Al-Qaeda e o Estado Islâmico (EI). Depois do fracasso no golpe de 2012, o país passou por eleições em 2013 quando Keita conquistou a presidência.

Na quinta (02) foi anunciado que as eleições iriam para um segundo turno entre o atual presidente Keita que deteve aproximadamente 41% dos votos e Cisse que alcançou em torno de 17%. Dos 24 candidatos, 18 deles (incluindo Cisse) questionaram o resultado do primeiro turno, sendo apontados indícios de fraudes, além de alguns episódios de violência nos locais de votação, embora não foi constatado vítimas nos ataques. O segundo turno das eleições no Mali estão marcadas para ocorrer no domingo 12 de agosto.

 

Fontes:

https://www.bbc.com/portuguese/internacional-45013728

https://www.em.com.br/app/noticia/internacional/2018/08/04/interna_internacional,978015/opositores-se-apresentam-a-justica-por-violencia-apos-eleicoes-no-zimb.shtml

https://www.reuters.com/article/us-kosovo-serbia/kosovo-president-rejects-serbian-idea-of-partition-on-ethnic-lines-idUSKBN1KL288

https://www.dw.com/en/mali-presidential-election-goes-to-second-round-runoff/a-44938597

https://www.dw.com/pt-002/elei%C3%A7%C3%B5es-no-mali-marcadas-por-viol%C3%AAncia/a-44874459