Aconteceu em RI: 1ª semana de setembro

Essa semana foi cheia de acontecimentos importantes! Aqui vão alguns destaques 🙂

Prisão de jornalistas em Myanmar

Business Insider
Fonte: Business Insider

Uma reviravolta nas condições de direitos humanos e liberdade de imprensa atingiu Myanmar. Nesta segunda (03), dois jornalistas locais trabalhando para a rede de notícias Reuters foram condenados a 7 anos de prisão. Wa Lone (32) (direita na foto) e Kyaw Soe Oo (28) (esquerda na foto) foram presos em dezembro de 2017 quando realizavam uma investigação sobre o assassinato de 10 homens rohingyas em um vilarejo de Myanmar bem como as violações perpetradas pelos militares birmaneses contra este grupo que é minoria no país.

Os dois foram presos após se encontrarem com alguns policiais que lhe entregaram alguns documentos e foram presos logo em seguida por outros agentes em um esquema montado propositalmente para deter os jornalistas. Sob a alegação de estarem portando documentos secretos do governo, os dois receberam suas sentenças na segunda.

O resultado do veredicto gerou repúdio de diversos grupos de direitos humanos, outros países e organizações internacionais que condenaram a prisão dos jornalistas bem como foi levantado críticas contra Aung San Suu Kyi, líder de fato de Myanmar e detentora do Prêmio Nobel da Paz por sua luta pela democracia no país, mas que no tocante à crise rohingya ela é acusada de não tomar nenhuma atitude com relação às violações dos militares.

Ataque ao último bastião rebelde na Síria

Nesta sexta (07), os presidentes da Rússia, Turquia e Irã (Putin, Erdogan e Rouhani) se encontraram na capital iraniana Teerã para discutir os rumos finais da guerra civil na Síria que já dura 7 anos e conta com um saldo de mais de 500 mil mortos e 6 milhões de refugiados.

President Putin of Russia, Rouhani of Iran and Erdogan of Turkey meet in Tehran
Fonte: The Indian Express

As conversas se focaram nas medidas que serão tomadas em Idlib cidade síria localizada no norte do país, próxima à fronteira com a Turquia e último bastião rebelde contra o governante sírio Bashar al-Assad, o qual ameaçou lançar um ataque final ao local. Uma conferência de imprensa também foi realizada.

Em Teerã, as conversas falharam em chegar a um cessar-fogo para Idlib. Enquanto Turquia, que se posiciona contra Assad e frequentemente auxiliou rebeldes contra o regime sírio, alegava que a batalha de Idlib poderia se tornar um banho de sangue, Rússia e Irã que apoiam o regime de Assad descartaram apoiar esta possibilidade. No caso da Turquia, ainda há a preocupação de que um novo ataque à Idlib provoque mais uma onda migratória para o seu país bem como que prejudique os seus ganhos pessoais no que se refere ao confronto da Turquia contra os curdos.

Com isso, um ataque a Idlib é cada vez mais provável embora não seja possível definir quando.

Dois suspeitos do caso Skripal são apontados

BBC
Fonte: BBC

Na quarta (05), uma investigação conduzida pela inteligência do Reino Unido anunciou que dois cidadãos de origem russa eram considerados suspeitos pelo ataque com agente químico Novichok em março contra o ex-espião russo Skripal e sua filha na Inglaterra.

Os resultados da investigação foram posteriormente apresentados pelo Reino Unido no Conselho de Segurança da ONU na quinta (06) quando também recebeu o apoio dos EUA, Alemanha, França e Canadá. A Rússia, por sua vez, negou as acusações.

Continente americano debate crise na Venezuela

Treze países da América Latina, entre eles o Brasil, se reuniram na terça (04) em Quito no Equador para discutirem que medidas seriam tomadas para lidar com a crise dos refugiados venezuelanos que diariamente fogem de seu país para buscar abrigo nos vizinhos como Colômbia, Peru, Equador e Brasil. Desde 2015, 1,6 milhão de venezuelanos deixaram seu país segundo dados da ONU.

El país
Fonte: El País

Durante a cúpula, 11 países ali presentes assinaram uma declaração conjunta em que pedia para que o governante venezuelano Nicolás Maduro aceitasse ajuda humanitária à Venezuela, além de se comprometerem a se ajudar mutuamente para lidar com a crise migratória, bem como permitirão a entrada de venezuelanos mesmo com documentos vencidos. Por outro lado, foi também levantada a necessidade de recursos financeiros para lidar com esta crise. EUA e Espanha já se comprometeram com suporte financeiro para lidar com esta situação. Ainda com relação a esta declaração, Bolívia se absteve de assinar o documento e República Dominicana afirmou que o faria mais tarde.

Além dessa reunião, outra foi realizada na quarta (05) em Washington D.C., onde se encontra a sede da OEA (Organização dos Estados Americanos). Nesta sessão extraordinária, ficou decidida a criação de uma força tarefa responsável pela captação de recursos que serão destinados para lidar com a crise migratória venezuelana.

Kosovo e Sérvia: conversa suspensa

Nesta sexta (07), um encontro entre os presidentes da Sérvia, Aleksandar Vucic, e o presidente de Kosovo, Marshim Thaci, foram canceladas pelo lado sérvio. O motivo do cancelamento não foi claro, mas a conversa entre os dois líderes era muito esperada a fim de avançar nas negociações que eventualmente resultariam em um fim na disputa territorial entre ambos e permitiriam que eles conseguissem ser considerados para o processo de admissão na União Europeia (a resolução nas relações de ambos é pré-requisito para suas candidaturas).

Independent Balkan Agency News
Fonte: Independent Balkan Agency News

O Kosovo, de maioria étnica albanesa, declarou sua independência em 2008, embora não tenha sido reconhecida pela Sérvia e outros membros da comunidade internacional. O atual plano consistiria em uma “troca” de territórios. Assim, o norte do Kosovo que ainda detém uma concentração de sérvios voltaria para o domínio da Sérvia. Por outro lado, uma parte do sul sérvio de maioria albanesa se tornaria parte do Kosovo. Apesar dos diálogos em torno desta proposta serem vistos por alguns como uma forma de pavimentar o caminho de ambos para a UE (e no caso do Kosovo também de um reconhecimento internacional maior), alguns analistas temem que este tipo de acordo pode provocar uma volta das tensões étnicas não somente entre Sérvia e Kosovo, mas em outras partes da região dos Bálcãs.

Protestos no Iêmen e atraso nas negociações de paz

Nesta semana novos desdobramentos ocorreram a respeito da guerra civil no Iêmen, conflito que já matou mais de 10.000 pessoas e de acordo com a ONU se figura como a pior crise humanitária atual. O primeiro deles foi um protesto realizado em Sanaa, reduto dos rebeldes houthis, no qual os manifestantes se voltavam contra a coalizão liderada pela Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos, a qual foi responsável pelo ataque aéreo a um ônibus que matou um total de 40 crianças. Nas ruas de Sanaa, os manifestantes exigiam que os membros da coalizão fossem julgados pelos seus atos no país.

Houthi followers demonstrate to show rejection of an offer by the Saudi-led coalition to pay compensations for victims of an air strike in Saada, Yemen
Fonte: Investing

Além disso, na quinta (06) era esperada uma reunião em Genebra entre as diferentes partes do conflito para chegar a um processo de paz. Contudo, depois de dois dias de espera, a reunião foi cancelada no sábado (08), já que os rebeldes houthis não compareceram ao encontro. Segundo o enviado da ONU para as conversas de paz, Martin Griffiths, apesar dos houthis não conseguirem comparecer, alguns avanços preliminares foram alcançados como por exemplo evacuações médicas a serem transferidas para o Cairo na semana que vem. Porém, conversas mais profundas para chegar à paz ainda devem demorar.

Egito é questionado por julgamentos de manifestantes

No sábado (08), um tribunal do Egito sentenciou à morte 75 pessoas que participaram das manifestações em 2013 contra a deposição do então presidente Mohamed Morsi, incluindo membros da Irmandade Mulçumana que o atual governo considera uma organização terrorista. Os protestos de 2013 foram duramente criticados pelo alto grau de violência empregado, o que resultou na morte de mais de 800 manifestantes pelas forças de segurança.

The National
Fonte: The National

Logo depois de Morsi ser retirado do poder por um golpe militar, o até então Ministro da Defesa, General Abel Fattah el-Sisi assumiu como novo presidente e permanece no cargo até hoje, vencendo recentemente a reeleição em março deste ano.

Com relação ao julgamento, grupos de defesa dos direitos humanos como a Anistia Internacional condenaram o resultado considerado injusto e que não levou em conta as violações cometidas por membros das forças de segurança durante os protestos.

Fontes:

https://www.bbc.co.uk/news/world-asia-45392972

https://www.aljazeera.com/news/2018/09/myanmar-court-sentences-reuters-reporters-years-jail-180903043257163.html

https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2018/09/america-latina-pede-a-maduro-que-aceite-ajuda-humanitaria-para-conter-exodo-de-venezuelanos.shtml

https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2018/09/oea-propoe-criar-forca-tarefa-para-tratar-de-crise-venezuelana.shtml

https://www.washingtonpost.com/world/middle_east/leaders-of-russia-turkey-and-iran-meet-for-high-stakes-syria-talks/2018/09/07/e66a70c8-b11b-11e8-8b53-50116768e499_story.html?noredirect=on&utm_term=.adb1b4ff8d24

https://www.theguardian.com/world/2018/sep/08/turkey-warns-russia-idlib-attack-create-lake-of-blood

https://www.aljazeera.com/news/2018/09/kosovo-tense-serbian-president-visits-cancelling-talks-180909183725520.html

https://apnews.com/f01d5243fc7c42a5a1c3be3b77f96b17

https://uk.reuters.com/article/uk-yemen-security/thousands-in-yemens-saada-protest-over-air-strikes-that-killed-children-idUKKCN1LL2VW

https://www.dw.com/en/yemen-peace-talks-collapse-in-geneva-after-houthi-no-show/a-45409134

https://www.nytimes.com/2018/09/08/world/middleeast/egypt-protest-sentences.html

https://www.reuters.com/article/us-britain-russia-may/france-germany-canada-and-us-back-britain-over-salisbury-poisoning-idUSKCN1LM29L

 

Anúncios

Deixe uma resposta