Aconteceu em RI: 4ª semana de outubro

Olá gente, tudo bom? O Horizonte RI andou meio sumido nestes últimos tempos, mas espero poder voltar com o ritmo normal das publicações! 🙂

Sendo assim, vamos dar uma olhada em alguns dos principais acontecimentos da última semana?

Eleições legislativas no Afeganistão

No sábado (20), o Afeganistão passou por suas eleições parlamentares depois de esperar por um período de três anos. O evento acabou sendo marcado por alguns ataques violentos que mataram 18 pessoas somente na capital Cabul além de matar e ferir aproximadamente 170 pessoas pelo país.

The daily star
The Daily Star

Depois da invasão dos EUA nos anos 2000 e a subsequente queda do Talibã, o país ainda busca alcançar uma estabilidade, mas a insurgência deste grupo ainda permanece, gerando constantes confrontos contra as forças de segurança afegãs bem como atentados que também afetam a população local.

Cúpula para a paz na Síria

Nesta última semana também os líderes da Rússia, Alemanha, Turquia e França se encontraram em Instabul para discutir os rumos da guerra na Síria bem como os caminhos e medidas necessários para estabelecer a paz no país dentro do âmbito político.

News conference after a Syria summit in Istanbul
Fonte: Reuters

Os presidentes Putin e Erdogan já tinham se encontrado em outras ocasiões (algumas delas com representantes do Irã) para discutir os rumos na guerra síria, culminando inclusive no mês passado no acordo firmado entre Rússia e Turquia sobre um cessar-fogo na região de Idlib, último bastião rebelde. A novidade desta vez foi a inclusão de Alemanha e França na mesa de discussão, embora seja importante notar a ausência de Irã e EUA que também são peças chave dentro da lógica deste conflito.

No encontro desta semana, os líderes reafirmaram a importância de manter um cessar-fogo em Idlib bem como em trabalhar para encontrar uma solução política para trazer paz à Síria e discutir como será feita a reconstrução do país no pós-guerra.

Imigrantes da América Central seguem em caravana rumo aos EUA

Em consequência da instabilidade política e social que ocorre em diversos países da América Central como Honduras, Guatemala e El Salvador, seja por perseguição política ou violência principalmente perpetrada pelas gangues locais, milhares de pessoas estão deixando sua terra natal e migrando em caravana rumo aos EUA.

Insider
Fonte: Insider

Nesta semana, o grupo de imigrantes chegou no sul do México, onde foi oferecido a eles a possibilidade de pedir asilo no país. Embora alguns tenham aceitado ou até mesmo desistido da jornada e voltado para casa, outros se mantiveram firmes em direção à fronteira com os EUA. Neste caso é interessante notar que, apesar das recorrentes ondas migratórias vindas da América Central até os EUA, tal fenômeno como vivenciado agora que conta com um alto número de imigrantes (estimativas variam mas colocam a quantidade entre 3.000 e 7.000 pessoas) e que se juntaram de forma organizada para marchar até os EUA é algo relativamente novo.

Por outro lado, o presidente dos EUA, Donald Trump, já se posicionou com relação ao assunto. Mantendo sua retórica anti-imigração, Trump ameaçou mandar tropas para a fronteira com o México bem como de cortar a ajuda humanitária feita pelos EUA aos países da América Central, o que está gerando um grande debate dentro do seu próprio país.

Sri Lanka enfrenta instabilidade política e crise constitucional

Durante esta semana, a situação política do Sri Lanka, país insular localizado ao sul da Índia, atingiu um ponto de ruptura quando o presidente do país, Maithripala Sirisena, retirou o cargo de primeiro-ministro de Ranil Wickremesinghe, entregando-o ao antigo presidente do país, Mahinda Rajapaksa.

Nikkei Asian Review
Fonte: Nikkei Asian Review

Além disso, Sirisena também suspendeu temporariamente o parlamento até 16 de novembro, o que foi visto por alguns como um golpe, visto que Wickremesinghe (que detém responsabilidade sobre o parlamento) possuía a maioria deste órgão ao seu favor. Apesar dos protestos, também foram registradas comemorações pelos apoiadores do presidente.

A crise presente no Sri Lanka já se observa há algum tempo, principalmente por um crescimento econômico fraco e pela tensão entre a coalizão dos partidos de Sirisena e Wickremesinghe. Além do mais, Sirisena acusa Wickremesinghe de não ter investigado apropriadamente uma trama de assassinato contra ele acusando também o serviço de inteligência indiano, embora a Índia negue qualquer envolvimento.

Por outro lado, a atual indicação de Rajapaksa, o qual acredita-se ser próximo da China, preocupa a Índia que vê o Sri Lanka dentro da sua zona de influência.

Eleições presidenciais brasileiras repercutem internacionalmente

A eleição presidencial brasileira de 2018 foi um acontecimento que gerou grandes repercussões internacionais desde o período de campanha até o resultado final neste último domingo (28). Seja pela constatada polarização da sociedade brasileira ou pelos discursos dos candidatos à presidência, notadamente do atual presidente eleito Jair Bolsonaro, tanto a mídia quanto líderes mundiais acompanharam e se posicionaram ante aos recentes acontecimentos da política brasileira.

o povo
Fonte: O Povo

Diferentes canais de comunicação destacaram a atual divisão da sociedade brasileira e a preocupação que tal separação se mantenha mesmo após as eleições o que irá com certeza influenciar os rumos da agenda de reformas que ainda estão previstas para serem discutidas. Além disso, o discurso de campanha de Bolsonaro ainda lançou preocupações principalmente em relação à preservação dos direitos das minorias.

Além disso, diversos líderes mundiais acompanharam o resultado das eleições. Alguns como o primeiro-ministro da Espanha Pedro Sanchéz e o presidente da França Emmanuel Macron focaram-se mais em parabenizar a realização do processo eleitoral e destacar a importância da consolidação e crescimento das relações entre o Brasil e seus países. Já outros como o presidente dos EUA Donald Trump ou o vice-primeiro-ministro italiano Matteo Salvini deram suas felicitações destacando não somente as relações bilaterais entre Brasil e seus países como também deu um enfoque maior à retórica de Bolsonaro, o que pode dar indicações de quais figuras mundiais provavelmente serão mais aliadas do próximo governo.

Fontes:

https://exame.abril.com.br/mundo/violencia-em-eleicao-parlamentar-no-afeganistao-deixa-ao-menos-18-mortos/

https://www.globalvillagespace.com/afghanistan-election-2018-and-reconciliation-process/

https://istoe.com.br/russia-turquia-franca-e-alemanha-fazem-reuniao-inedita-sobre-a-siria-em-istambul/

https://www.reuters.com/article/us-usa-immigration-caravan/central-american-caravan-moves-on-in-spite-of-mexico-jobs-offer-idUSKCN1N10Q8

https://www.bbc.com/news/world-latin-america-45951782

https://www.reuters.com/article/us-sri-lanka-politics/sri-lanka-president-dissolves-parliament-cabinet-spokesman-idUSKCN1N107E

http://agenciabrasil.ebc.com.br/politica/noticia/2018-10/imprensa-internacional-destaca-eleicoes-no-brasil

https://especiais.gazetadopovo.com.br/eleicoes/2018/repercussao-da-vitoria-de-jair-bolsonaro-entre-os-lideres-mundiais/

Anúncios

Deixe uma resposta